domingo, 18 de julho de 2010

Manifesto

Clique na imagem e tenha uma bela surpresa.


respeito é Bom e eu gosto!
Aprendi que só podemos olhar para o outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se.
Gabriel Garcia Marques
Frase usada em presídios do RJ no início da década de 1980.


                   Prezados,
Sou um cidadão como outro qualquer, pai de 4 filhos, cada um com características próprias, motivos de alegrias, tristezas, preocupações como a de qualquer outro pai.
Ser pai para mim é a realização de um sonho e, com certeza, algo que não me arrependo de ter feito na vida.
Essa paixão por ser pai me leva a estudar / pesquisar sobre o “Exercício da Paternidade”, tendo organizado um ciclo de debates a respeito em 1997, o que originou um livro com 26 artigos de especialistas de diversas áreas (seu original encontra-se disponível aqui no blog em sessão própria para quem desejar lê-lo, imprimí-lo, divulgá-lo, enfim fazer uso dele), diversas entrevistas, palestras nacionais e internacionais, consultoria para o UNICEF, etc.


A partir de vivências familiares e da constatação que, infelizmente, minha família já não é uma exceção, ficou evidente que a questão das drogas não seria resolvida individualmente, mas somente coletivamente.
A OMS estima que 60% da população brasileira (aproximadamente 110 milhões de brasileiros) é atingida direta ou indiretamente pela compulsividade, manifestada através de sintomas diversos como o uso abusivo de drogas, jogos, internet, comida, trabalho, alcoolismo, etc.
Pesquisa recente com ex-obesos que passaram por cirurgias de redução do estomago demonstrou que um alto índice dos que  fizeram a cirurgia se entregaram a outra forma de manifestação da compulsividade (alcoolismo em sua grande maioria) por não terem sua questão de fundo tratada adequadamente. 
Segundo pesquisa do Ministério da Saúde a principal demanda das famílias brasileiras é por um programa que os oriente quanto à compulsividade e, principalmente, ao uso abusivo de drogas (ver matéria completa na sessão reportagens aqui do blog).
Já a pesquisa desenvolvida pela USP / UNESCO apontou que as escolas brasileiras são os principais pontos de difusão e comercialização de drogas, gerando uma das maiores demandas do coletivo escolar brasileiro: um programa de capacitação continuado que os habilite a atuar com essa questão.
Como não podia deixar de ser, a compulsividade interfere diretamente na produtividade dos trabalhadores, o que tem levado as empresas a não pouparem esforços para tratar funcionários de todos os escalões.
De acordo com matéria publicada em 17/07/2011 pelo Jornal Folha de São Paulo, o número de trabalhadores licenciados pelo INSS no primeiro semestre de 2011 "cresceu 22% em relação ao mesmo período de 2010 por problemas causados por uso de drogas ilícitas como cocaína e abuso de remédios sedativos e estimulantes, como antidepressivos e ansiolíticos (para controle da ansiedade).
Dos executivos, 15% usam substâncias psicoativas, segundo pesquisa do HCor (Hospital do Coração) com 829 pessoas de abril de 2009 a março de 2010, obtida com exclusividade pela Folha."
Para completar, o fenômeno do aquecimento global nos traz a necessidade de consumirmos apenas o necessário, obrigando-nos a abrir mão da compulsividade de consumir (vídeo a seguir).
Pelos motivos expostos e por diversos outros mais, especialistas estimam que a compulsividade será uma das principais epidemias a ser combatida no século XXI.
Reportagens em nossas mídias nos alertam diariamente para a gravidade da situação, mas continuamos a acompanhá-las perplexos e inertes, sem saber como agir e a quem recorrer (links abaixo)
   
Aqueles que são aprisionados por uma das inúmeras formas de manifestação da compulsividade, quando identificados, são classificados de Portadores de Distúrbios Psicossociais (PDPs).
Historicamente a sociedade tem optado por ignorar os PDPs, seus Familiares e Afins, até porque os envolvidos, devido à cultura reinante há séculos, se colocam numa posição como se estivessem em dívida com a sociedade, ficando sem vez e voz, retroalimentando um ciclo perverso que, cada vez mais, os empurra para a margem da sociedade, "marginalizando-os" literalmente. 
As famílias, ao serem responsabilizadas pela sociedade, se sentem envergonhadas / humilhadas, como se o fato de termos entre nossos integrantes um Portador de Distúrbio Psicossocial fosse um sinal inequívoco do nosso fracasso.
Com a vergonha surge a impotência, com a impotência a ausência da denúncia e sem a denúncia o poder público acaba por priorizar outras questões, relegando ao ostracismo 60% da nossa população!
“Primeiro entraram em nosso jardim e roubaram uma flor.
Nós não dissemos nada.
Depois o mais frágil deles entra em nosso quintal e mata nosso cão.
Nós não dissemos nada.
Depois conhecendo nosso medo, roubaram a lua, e arrancaram-nos a voz da garganta.
E como não dissemos nada, não podemos dizer mais nada.”
Vladimir Maiakóvski
Cansado de falar e não ser escutado, de ver uma geração de brasileiros sendo aniquilada (hoje a idade média do preso brasileiro é em torno de 22 anos enquanto que há 30 anos atrás era de 40 anos) e de presenciar distorções absurdas como, por exemplo, no Estado do Rio de Janeiro o Hospital Penitenciário tem um serviço específico para compulsivos, com atendimento médico, terapêutico e fornecimento de remédios, mas não existem clínicas para tratamento de compulsivos antes de se tornarem criminosos e menos ainda uma política pública de prevenção a compulsividade, me engajei no movimento "respeito é Bom e eu gosto!".
Simplesmente não posso pensar pelos outros, nem para os outros, nem sem os outros.
Paulo Freire
Não queremos eleger nem algozes nem vítimas, mas somente exigir que os direitos dos Portadores de Distúrbios Psicossociais, Familiares e Afins, como cidadãos que somos, sejam respeitados, inclusive para que melhor possamos cumprir com nossas responsabilidades.
ser livre não é fazer o que se queira; é ser senhor de si, saber agir pela razão, praticando o dever.”
Émile Durkheim
Nosso objetivo imediato é construir uma base sólida de apoio com instituições, personalidades, mídias, etc. que tragam representatividade ao nosso movimento. Agradecemos desde já indicações e apoios.
“É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho, de comparar escrupulosamente nossos sonhos com nossa realidade.
Sonhos, acredite neles.”
Lenin
Abraço e felicidades a todos,
Paulo Silveira

24 comentários:

  1. Manifesto todo o meu apoio ao Movimento Respeito é Bom e eu Gosto. Considero que é hora de desclandestinizarmos os Portadores de Distúrbios Psicossociais e apontar suas causas e possíveis soluções, sobretudo obrigando o Poder Público a assumir a sua responsabilidade.

    ResponderExcluir
  2. Como educador, pai, profissional do audiovisual e, acima de tudo, cidadão.
    Deixo aqui me total apoio ao Movimento Respeito é Bom e eu Gosto.

    Rico Cavalcanti
    Diretor Adjunto da Escola EDEM
    Professor da ESPM e
    Produtor audiovisual

    ResponderExcluir
  3. O movimento Respeito é Bom e eu Gosto é uma ótima iniciativa. Pode mostrar à sociedade como é tratado o portador de distúrbios psicossociais,como as famílias deste se sente, assim como pode levantar a discussão sobre o uso de drogas de forma menos hipócrita e mais realista. Dou a maior força! Helio de la Peña

    ResponderExcluir
  4. O portador de distúrbios psicossociais agravados pelo uso de drogas não recebe apoio nem dos partidários da "Guerra às Drogas" - que precisam dele para justificar sua posição, nem dos partidários da descriminalização, proposta que considera mas minimiza este problema. Esta é uma iniciativa fundamental para colocar a devida dimensão deste problema e dar a devida atenção às necessidades especiais deste significativo grupo de cidadãos.

    Rodney F. de Carvalho
    Engenheiro de Sistemas, Professor, Pesquisador, membro do NECSO - Núcleo de Estudos de Ciência & Tecnologia e Sociedade e da 4S - The Society for Social Studies of Science.

    ResponderExcluir
  5. como já disse, acho esta uma ótima inicitiva. porém, ao percorrer o site, vejo que tem uma proposta de se reivindicar vagas em concursos públicos e universidades para portadores de doenças psicossociais. não sei se este é o melhor caminho. acho que é uma proposta que deve ser melhor discutida antes de ser levada adiante. tenho uma certa descrença em soluções via sistema de cotas.

    ResponderExcluir
  6. Hélinho,
    Essas são propostas que estão sendo postadas para posterior discussão.
    A idéia é criarmos um fórum de discussão a esse respeito, para podermos realizar um debate, virtual e depois presencial, sobre as questões relativas aos direitos dos portadores de distúrbios psicossociais, familiares e afins.
    Vamos seguir o exemplo do Hélinho e postar propostas, manifestações, sugestões, etc.
    esse é um espaço de todos nós!!
    Paulo Silveira

    ResponderExcluir
  7. Manifestamos toda solidariedade e apoio ao nosso querido amigo Paulo Silveira!
    Com admiração pelo digno gesto fundando o Movimento "respeito é BOM e eu gosto!".
    carinhosamente
    -----------------------------------------

    Teu Nome é minha cura, ó meu Deus, e a lembrança de Ti, meu remédio. Aproximar-me de Ti é minha esperança, e meu amor por Ti, meu companheiro. Tua misericórdia por mim é minha cura e meu socorro, neste mundo e no vindouro. Tu, em verdade, és o Todo-Generoso, o Onisciente, a Suprema Sabedoria.

    Bahá’u’lláh


    Amyra El Khalili - mulheres_pela_paz@terra.com.br
    Movimento Mulheres pela P@Z!

    ResponderExcluir
  8. Apóio e louvo a iniciativa do movimento Respeito é Bom e eu Gosto, por entendê-lo como absolutamente urgente. Que a partir dele, o Estado brasileiro conisaga providenciar com a devida rapidez a rede de atendimento e assistência aos portadores de distúrbios psicossociais, familiares e afins.
    Vida longa e sucesso!
    André Trigueiro

    ResponderExcluir
  9. BEM VINDA tão sublime iniciativa!!!
    "RESPEITO É BOM E EU GOSTO", protegendo os portadores de distúrbios psicossociais da falta de conhecimento e consequente ausência de compreensão da sociedade como um todo.
    Com carinho e admiração
    Dione Mendes de Melo - Terapeuta Holística
    wwwdidione.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. É com grande satisfação e orgulho que celebramos o apoio à nossa causa da ABI, entidade que faz parte da nossa história pelo apoio as causas populares.

    Como disse Paulo Freire "O caminho se faz caminhando." e é assim que chegaremos lá.

    ResponderExcluir
  11. Lindo...Lindo...Lindo... Extraordinária iniciativa, obrigado pela aula e conte comigo em favor de sua causa!

    ResponderExcluir
  12. Heloisa Helena Paz25 de janeiro de 2011 18:56

    É de iniciativas assim que precisamos para transformar nossa sociedade em uma sociedade mais humana. Meu total apoio à qualquer causa que caminhe nesta direção.
    Precisamos mostrar que todo tipo de preconceito é intolerável.
    Parabéns Paulo!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Caro Paulo - parabéns pela construção desse espaço de solidariedade e concretização de iniciativas em favor dos Portadores de Distúrbios Psicossociais. Estamos juntos nessa luta !!!
    Abs.
    Jorge

    ResponderExcluir
  14. Sou namorada de um dependente quimico e ele está neste momento em uma clinica de recuperação a 700 km de minha cidade, não citarei o nome para não prejudicá-lo pois ele ainda se encontra la.
    Foi internado involuntariamente e a solicitação da internação involuntária ("resgate") foi feita pela mãe (pela lei só um parente de sangue pode fazer e só o mesmo parente pode solicitar a saída)
    Me ajudem
    Pela distancia so pude visita-lo uma vez e, fisicamente, ele esta mto bem, 30kg mais gordo, etc, como nunca o vi... Porém pessoalmente ele me relatou (pois ao telefone ele nunca tinha me dito nada) que foi sim submetido a maus tratos, humilhações, tentou fugir e apanhou, fraturou a costela e ficou sem escutar de um ouvido alguns dias em virtude dos chutes q levou no rosto. A "tal clinica" o levou ao hospital para o raio-x e etc somente duas semanas apos (de acordo com ele para que os hematomas diminuissem)e ele relata que chorou por varias noites de dor pedindo ajuda e nada foi feito... O funcionário que o agrediu foi mandado para outra clinica "parceira", a clinica constava como parceira no site da "tal clinica", porém logo após o episódio o site saiu do ar e foi reformulado, não constando mais a "parceria". Correlacionando os fatos eu percebo que algo realmente pode ter acontecido como ele relatou...
    Ele me liga de la uma vez por semana, mas percebo ele mto coagido, conversa comigo frases decoradas e qnd pergunto sobre algo "mais serio" ele nao responde, ou responde cochichando.
    Já esta lá ha 5 meses, o contrato estipulava 4 meses de tratamento, aparentemente convenceram a mãe dele que o melhor seria deixa-lo mais tempo por la (so ela ou o médico pode autorizar a saida d acordo com a lei), mesmo ele querendo sair e apresentando claramente estar fisicamente bem e em sã consciencia.
    A mãe dele me "soltou" que o dono da tal clinica fez ela assinar umas coisas pois ele ja ouviu comentario de que meu namorado vai processar a clinica e ele ja esta sendo processado (lavagem de dinheiro publico), meu namorado desconfia que por isso estao o segurando la...
    Quero dizer, EU SOU A FAVOR DA INTERNAÇÃO INVOLUNTARIA, pois sei que em alguns casos (como foi do meu namorado) a pessoa nao tem condições de decidir por si propria porém existe uma lei q regulamenta e diz que de maneira alguma podem haver tais barbaries por parte das clinicas é intoleravel, violência nao trata doença nenhuma!!! Alem do q a lei diz q td interno de internação involuntaria deve ter LIVRE ACESSO A TODOS OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO, então não entendo pq ele so tem direito de me ligar 1 vez por semana, 5 min e ainda com pessoas do lado pra "vigiar" (isso é ter livre acesso???). O q exatamente eles acham q ele não pode me falar???
    Estou de mãos atadas, sem saber como agir ou proceder de tão longe e não sendo um "parente de sangue"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você é a favor da internação involuntária, deveria repensar agora. Quanto à incorreções éticas deveria logo procurar a defensoria pública e a comissão dos direitos humanos. Se houvesse procurado o ministério público dentro de 72 horas após a internação poderia ter conseguido uma avaliação para retirá-lo.
      Lamento o seu sofrimento e desejo força e boa sorte.

      Excluir
  15. A leitora anônima:
    Você deve procurar o Ministério Público e pedir orientação.
    O que está sendo feito com seu namorado é crime!
    Denuncie-o!
    Favor se comunicar via email rebomeg@rebomeg.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi, sou eu de novo (a anonima do post acima), postei este comentário em vários blogs, porém somente duas pessoas quiseram dar opiniões (vc e a Cicie do blog "procurando eu"), esse assunto é mesmo muitissimo delicado. Estou com medo até de divulgar o nome da clinica pelo fato dele ainda estar lá!!! Portanto, por enqnt, ou seja, por mais 20 dias (e nada mais), manterei o nome dessa clinica em sigilo, mas não vejo a hora de "abrir a boca"
    Graças a Deus ele vai sair daqui 20 dias
    Obrigada pelo apoio, vc é profissional do Direito? Pergunto, pois eu mesma sou estudante, mas ainda nao conheço essas burocracias, será se devemos nos dirigir ao Ministério sozinhos ou acompanhados de advogado??
    GOSTARIA DE DIZER A TODOS QUE ACOMPANHAM ESTE BLOG E OUTROS Q VAMOS SIM DENUNCIAR OS MAUS TRATOS, JÁ ESTOU PROVIDENCIANDO AS COISAS D Q PRECISO. TENHO TODOS OS NOMES ENDEREÇOS E TELEFONES DOS PACIENTES Q ESTÃO OU ESTAVAM LÁ E PRESENCIARAM O FATO DELE TER APANHADO E MUITOS JA DISSERAM QUE CONCORDAM DE BOM GRADO TESTEMUNHAS A FAVOR DELE. TBM VOU AO HOSPITAL EM QUE ELE TIROU O RAIO-X BUSCAR A FICHA DELE
    JÁ SEI Q A CLINICA, COMO INFORMEI A VCS, JÁ ESTA SENDO PROCESSADA PELO MP POR "LAVAGEM DE DINHEIRO PÚBLICO", COM CERTEZA ELES VÃO ADORAR DESCOBRIR ISSO QND EU FIZER A DENÚNCIA FORMAL
    MESMO QUE NÃO FIQUE PROVADO EM JUÍZO OS MAUS TRATOS (visto q esconderam ele ate q os hematomas sumissem) VOU DENUNCIAR ESTA CLINICA EM TODA A INTERNET
    LI NO BLOG : SAUDADES DA FRAN (http://saudadesdafran.blogspot.com/2010/04/carta-da-mae.html) SEUS RELATOS SOBRE A CLINICA ONDE ESTAVA E É TD COMPLETAMENTE DIFERENTE, MESMO COM OS PACIENTES Q LA ESTAVAM INVOLUNTARIAMENTE E, APESAR DO DESFECHO TRÁGICO, ELE DESCREVE MUITO BEM A CLINICA E PERCEBO VISIVELMENTE A DIFERENÇA
    A TODOS OS FAMILIARES Q PROCURAM CLINICAS AO SEUS ENTES
    COM CERTEZA NO DIA QUE ELE CHEGAR AQUI VOU SONDAR A FUNDO ESSA ESTORIA COM ELE (como disse a cicie o dependente as vezes manipula muito) E SE EU DESCOBRIR, MESMO Q SOMENTE NO OLHAR DELE, UM MÍNIMO DE INDÍCIO DE QUE AS COISAS ACONTECERAM COMO ELE DISSE E NÃO COMO A CLINICA ALEGA ELES ESTARÃO EM SÉRIOS PROBLEMAS, AFINAL NADA COMO UMA DENÚNCIA NA NET NÃO É MESMO??
    EU VOU ATÉ O FINAL COM ESSA ESTÓRIA, DIVULGAR TODA DESDE O "RESGATE" ATÉ OS MAUS TRATOS E PRINCIPALMENTE VOU DENUNCIAR ESTA CLINICA EM TODA A INTERNET; FACEBOOK, ORKUT, BLOGS E TD MAIS. LUGARES ASSIM DEVEM SER BANIDOS DA FACE DA TERRA, NÃO SÃO TRATAMENTOS, APENAS EXCLUSÃO SOCIAL E CONFINAMENTO (nem espaço para caminhadas tem lá)
    Abraços a tds e logo volto com mais notícias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa advogado, eles são nossos advogados.
      Não sou nada além de ser mais uma pessoa que sofreu vários revezes em virtude de internações e sei o quanto o seu namorado deve estar sofrendo, sou absolutamente contra a internação compulsória.
      Boa sorte!

      Excluir
  17. Anônima.
    Procure o Min. Público e faça a denúncia pedindo segredo de justiça, assim vc protegerá seu namorado e a vc mesma.
    Deixe q o MP se encarre dessa questão e vá curtir seu namorado.
    confie, isso ajudará mto mais q vc pensa ao seu namorado.
    Abs

    ResponderExcluir
  18. Paulo,

    Eu te amo.

    Conte comigo. Muita luta.

    Carinho,

    Mamuxxka

    ResponderExcluir
  19. Paulo parabéns pelo blog! Todo meu apoio ao Movimento Respeito é Bom e eu Gosto. Grande abraço com admiração e respeito, Lígia Benigno

    ResponderExcluir
  20. Adicionei o site aos favoritos. Descobri o site através do artigo: E o óbvio se torna ululante, que alguém postou em um grupo do facebook e depois li outros artigos. É muito bom ver que existem pessoas que enxergam a realidade e não aceitam a propaganda nazista e higienista que o poder executivo implementa na nossa cidade com ajuda da mídia. Eu tenho um irmão usuário de crack e talvez por isso esteja tão indignado com a internação compulsória que por si só nada resolve e se torna uma forma de prisão assim como os manicômios nos anos 80/90. Aqui em casa é muito difícil sensibilizar as pessoas, até meus irmãos pq eles acham que os cracudos são uma ameaça e tem que ser internados mesmo, caindo nessa cilada, apoiando a maquiagem da cidade. Isso pra não falar do descaso com o dinheiro público por causa da má gestão e da corrupção. Eu moro no Recreio que é a "Zona Sul da Zona Oeste" e é triste ver que a nova burguesia apoia um Estado autoritário pra manter seu direito de ir e vir no seu carro parcelado em 60 vezes. Eu li os artigos e chorei meu amigo, porque eu tenho medo realmente do que você escreveu. Começam por excluir um grupo nocivo que são as PESSOAS em situação de rua supostamente usuários de crack. Quem serão os próximos nesse processo de embelezamento para copa e olimpíadas. Desculpe o desabafo, mas não tenho com quem falar isso sem receber respostas prontas que a televisão dá pras pessoas. Obrigado

    ResponderExcluir
  21. A Clínica de Recuperação Grupo Casoto apoia a iniciativa e também trata a Dependência Química e Alcoolismo de uma forma efetiva através de Internação Involuntária de Drogas e Álcool.
    www.grupocasoto.com.br

    ResponderExcluir